fbpx

Soja convencional: características, vantagens e diferenças para outros tipos

Agricultor com grãos de soja convencional nas mãos

O Brasil é o maior exportador de soja do mundo. Só no ano de 2020, foram produzidos 239 milhões do grão, sendo 123 milhões deles exportados, segundo dados da plataforma FAOSTAT, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura.

Por isso, fala-se muito do grão no país, que é a base da alimentação e ingrediente em diversos tipos de alimentos, muitos deles industrializados. 

Grande parte dessa soja, contudo, é o tipo transgênico, ou seja, mais resistente a herbicidas por sua alteração genética que transforma certas características. Já a soja convencional, por sua vez, não passa por essa alteração.

Quer saber mais sobre esse tipo de soja, suas características e vantagens? Continue a leitura e acompanhe!

Quais são as características da soja convencional?

A soja convencional não tem alteração genética, mas possui uma tecnologia natural que também é eficaz contra doenças, além de ter uma produtividade competitiva.

Ao contrário do que se pode imaginar, ela não tem baixa resistência ou simplesmente pode acabar facilmente sendo danificada por pragas. Elas possuem sim uma tecnologia intrínseca, de qualidade e são resistentes. 

E não à toa, muitos produtores já estão trocando plantações inteiras de sojas transgênicas pelas convencionais.

Vantagens de optar pela soja convencional

Um dos grandes benefícios de plantar a soja convencional é poder rotacionar soluções fitossanitárias de controles de pragas e daninhas, ajudando no manejo da plantação.

A economia também é uma grande aliada de quem planta a soja convencional, já que economiza com o pagamento de royalties. Outra situação é que pode haver uma bonificação para quem planta, que funciona como um incentivo para que os produtores façam uso desse tipo de cultivar.

Na Europa, por exemplo, já se estuda uma tendência de que os animais sejam alimentados apenas com a soja convencional, o que sugere que o crescimento da procura por ela deva aumentar gradativamente.

Soja convencional, intacta e RR: quais as diferenças

A partir de 2005, ano que foi permitido o cultivo de soja transgênica no Brasil, esse tipo de cultivar se juntou à convencional e à RR, também conhecida como IPRO. Nessas duas últimas, são usados produtos com glifosato, um agrotóxico ao qual elas são resistentes.

Já nos tipos convencionais, é preciso usar produtos destinados às plantações de folhas largas e também de folhas estreitas. E isso pode ser benéfico, já que algumas plantas daninhas estão apresentando certa resistência ao glifosato e destruindo cerca de 25% da lavoura. 

Nesse sentido, a soja convencional pode ajudar no manejo fitossanitário e ajudar a eliminar esse tipo de planta daninha.

Irrigação é essencial no cultivo da soja convencional

Caso a soja não seja irrigada da maneira correta, as diminuições na lavoura podem ocorrer. Por isso, é essencial que se use o sistema de irrigação correto para sua plantação, que pode variar conforme o tamanho e o tipo de lavoura. No começo da estação, o excesso de água pode até atrasar o estágio do crescimento vegetativo.

Quer saber tudo sobre essa atividade e manter seu plantio? Confira tudo sobre irrigação da soja!